O que vou fazer sem Mad Men?

Um longo post sobre séries-amor e o que ando vendo na TV.

Então, acabou. Ontem, num momento de muita mazela (repouso por recomendações médicas), vi os quatro episódios que faltavam para zerar Mad Men. Ainda tô meio baqueada pelo final, chorei e não foi pouquinho, mas acho que já dá pra fazer algumas considerações a respeito não só do final, mas da série como um todo.

1. Personagens favoritos:

Peggy (Elisabeth Olson) sempre foi minha favorita desde a primeira aparição no primeiro episódio. Eu olhava para a trajetória dela e me via, guardadas as devidas proporções, claro. Não fui a primeira mulher na minha equipe de trabalho nem tenho um chefe Don Draper (Jon Hamm) na minha vida (não sei se lamento ou dou graças a Deus), mas somos um pouco parecidas em termos de ambição, já cheguei a surpreender pessoas fazendo algo que não era esperado de mim – e também nas resenhas amorosas.

giphy.gifgiphy (1).gifSete temporadas de diferença. Apenas.

No final das contas, me considero nesse departamento uma mistura de Peggy Olson com Daphne Moon (Jane Leeves) e Roz Doyle (Peri Gilpin), de Frasier. Taí três personagens que me representam tranquilamente.

Don deve ser o personagem de série mais bonito do mundo. Mas os predicados dele não se resumem a esses olhos, esse porte… tá, parei. Mas o que prende na história é a complexidade do personagem: o cara começa a série como o top das galáxias, bem sucedido profissionalmente, com uma família modelo e 434623 mulheres aos seus pés; e ao longo das temporadas a gente vai descobrindo que por baixo daquela bela (belíssima, benza Deus!) casca há muito drama, dor, medo, fracassos, e outras mazelas. Que ele é um autêntico filho da puta (é sério, vá vendo os episódios), que também é capaz de amar e… não é um super homem.

images.jpg

A relação mais significativa dele em toda a série não é nem com Betty (January Jones) nem com Megan (Jessica Paré); mas sim com a nossa querida Peggy! Ela foi uma das poucas mulheres no programa inteiro que ele não levou para a cama, mas em vários momentos deu para ver que a relação que eles tinham ao longo das temporadas era muito especial.

landscape-1426168939-0049366f-4c05-2e50-42c8-b8afefa33893-amc-mm-don-peggy-patio-table-2656-v2.jpg

Don e Peggy: melhor casal para sempre. ❤

Bert Cooper (Robert Morse): o velhinho meio excêntrico ganhou minha simpatia já pelo final da série. Aliás, o desfecho dele me arrancou lágrimas, principalmente porque depois de morto ele continuou aparecendo para Don.

2. Personagens que eu não curtia, mas mudei um pouco (ou muito) de ideia

Joan (Christina Hendricks): demorei para acreditar que essa mulher é de verdade, mas falando da personagem: no começo eu não gostava dela. Na verdade, eu a achava superficial, e ela começou assim mesmo, sendo apenas a garota que se pega com o chefe na hora do almoço. O jogo começou a virar quando ela se tornou uma sócia na agência e começou a lutar para ser levada a sério num ambiente em que os caras só querem dormir com ela. O final de Joan foi, para mim, o melhor de todos.

Pete (Vincent Kartheiser): esse foi ódio à primeira vista! Eu vibrava com as patadas que Don dava nele nos primeiros episódios, amava vê-lo se lascando… Só na última temporada, nos últimos episódios, quase no apagar das luzes, é que comecei a simpatizar um pouquinho com o sujeito. Só um pouquinho mesmo.

Sally (Kiernan Shipka): era uma criança adorável, no começo da adolescência ficou insuportável e a partir da sexta temporada foi voltando a ser gente. Inclusive comecei a achá-la bem parecida com o Don Draper na reta final…

tumblr_n4ft12n7FA1s89mq8o1_500-1431726846.gif

3. Simpatizava, mas enchi o saco

Megan, que decepção… No final da quarta temporada (quando eles ficaram juntos), eu achava que Don e Megan eram O CASAL, que ela era uma melhor companheira do que Betty pra ele, era mais solar, mais moderna… Aí na metade da quinta temporada, salvo a parte que ela emplaca como atriz, putz que mulher chata! Chorona, mimada, pior que a Betty, gente.

o-MEGAN-DRAPER-facebook.jpg

Passei o último episódio chorando de soluçar, embora ache que poderia ter sido um pouco mais longo, um episódio de duas horas, talvez. Talvez seja coisa de fã que vai sentir saudades e que a qualquer momento vai assistir aos episódios favoritos na Netflix… Enfim, tô meio de luto ainda. Para ajudar a superar, talvez eu devesse recomeçar Frasier e ficar alternando… Ou aproveitar esse final de ano e organizar meus esquemas televisivos e cinematográficos.

E agora?

Acho que já contei aqui que comecei Mad Men numa bela noite de segunda-feira, quando me revoltei com Jessica Jones e abandonei o décimo episódio antes do fim. Até considerei voltar e ver o final, mas não sei… eu não estava curtindo a série e acho que o problema é mais com a atriz mesmo do que com o fato de ser um produto Marvel (fui assistir a Don’t trust the b**** on apartment 23 e larguei depois de dez minutos o primeiro episódio. A atriz principal também é Kristen Ritter.)  Os status das outras séries que acompanho, até agora:

Lady Dynamite: eu não dava NADA pela continuidade dessa série, mas vai ter segunda temporada! Eu gostei da premissa e tudo, mas como é uma série ame ou deixe, corria sério risco de ser cancelada caso não caísse no gosto popular.

Grace and Frankie: hiatus, mas volta logo (oremos)!!

Unbreakable Kimmi Schmidt: hiatus… deve voltar no próximo semestre e espero que Jon Hamm tenha uma participação maior dessa vez.

Haters Back Off: empaquei no sexto episódio e tô achando que vai ter o mesmo destino que Jessica Jones na minha lista: o abandono.

Better Call Saul: ainda tem volta? Estamos esperando com paciência…

Reign: eu tinha começado, parei, mas lembro vagamente dos primeiros episódios. Agora que tô sem série para assistir, vou retomar.

Breaking Bad: parei de ver no fim do segundo episódio porque achei que era coisa demais pra minha cabeça ver essa e Mad Men ao mesmo tempo. Agora termino pelo menos a primeira temporada e vou vendo o resto sem muita pressa.

Fuller House também me surpreendeu por ter uma segunda temporada agora em Dezembro.

Ah, e tem Stranger Things! Volta, Eleven! Tem waffles pra você! 🙂

Rodzinka PL.: atrasei legal no bonde, e na segunda temporada confesso que me aborreci com o Tomasz (Maciej Musiał), que é o filho mais velho, um insuportável… Kacper (Mateusz Pawłowski) é o melhor personagem, espero que não fique chato quando for ficando mais velho, o moleque é fofo demais!

Narcos eu abandonei faz tempo, comecei a esquecer de assistir e tal. Na verdade não me apaixonar pela história, deixei pra lá e não pretendo voltar.

Tem outras séries que estão na minha lista para ver. Gilmore Girls (a série clássica – que vou ver sem dublagem, enfim – e o revival que tá todo mundo falando), Homeland (que eu quero ver por causa do Sebastian Koch que aparece na SEXTA TEMPORADA, mas vou ver da primeira pra poder entender a história direito), Cheers (série que originou Frasier), Grey’s Anatomy (porque todo mundo, inclusive minhas melhores amigas, falam muito dela),  Penny DreadfulDowntown Abbey… Tô meio atrasada em matéria de séries, eu sei. E de filmes também, de certa forma: considero que tenho uma dívida com a sociedade porque vi basicamente nada da franquia Harry Potter, por exemplo. Fui ver mais filmes daqueles alternativos, mas acho que vou aproveitar o embalo para tirar o atraso, vai que eu pego gosto?

Falando assim até parece que tenho esse tempo todo para passar vendo televisão, né? Mas depois do recital e agora com a chegada do final do ano, as coisas deram uma leve aliviada pro meu lado. Em boa hora, porque eu estava quase tendo um colapso. Então vou gastar um pouco mais de tempo em coisas que me ajudam a relaxar, que de stress esse mundo já tá é cheio.

Anúncios

Um comentário sobre “O que vou fazer sem Mad Men?

  1. socoorrrooooo! amo/sou mad men. vontade mil de assistir tudo de novo! a peggy é uma das minhas favoritas ❤ o don é tipo amor e ódio D: a sally eu sempre gostei, sempre mesmo foi uma das minhas favoritas, mesmo ela sendo meio que "abandonada" sempre ficou lá fazendo presença, a atriz é maravilhosa! ❤ quem eu simpatizava muito no começo era a betty, mesmo ela aceitando as baboseiras do don e deixando a vida comercial dela de lado, mas jurava que era ia revolucionar e causar horrores, acabou sendo uma chataaaa sem fim! hahahaha
    indico em demasia gilmore gilrs ❤ agora tô na quinta temporada de downton abbey e morrendo mil.
    desculpa o textão hahahaha
    :*** muá!!!!!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s