Assistindo: “Unbreakable Kimmy Schmidt”, season 3

Esperei pela estreia da terceira temporada da série com muita animação, porque Unbreakable Kimmy Schmidt logo se tornou uma das minhas séries favoritas. Praticamente não há um personagem que eu não goste, e as duas primeiras temporadas tiveram momentos impagáveis, como o clipe de Peeno noir e todas as aparições do reverendo Richard Wayne Gary Wayne (Jon Hamm). As expectativas eram as melhores possíveis.

Então a estreia aconteceu dia 19 de Maio e até então não rolou nada de muito extraordinário nos episódios da série que eu assisti até agora (vi 7 dos 13 episódio, mas alguns pontos me chamaram a atenção.

1) Jon Hamm continua se destacando positivamente, mesmo aparecendo pouco (até agora só apareceu em um episódio, e nos demais o reverendo é apenas mencionado).

2) Tituss (Tituss Burgees) teve alguns momentos de soltar a voz. Nem tudo achei engraçado, claro. A paródia de Lemonade foi bem legal e tudo; e o começo do episódio em que ele faz uma série de backing vocals para músicas com letras absurdas. Mas não gostei de Boobs in California.

3) Agora o texto tem uma pegada mais política do que nas temporadas passadas, com a participação de Lilian (Carol Kane) como vereadora e cenas com viés feminista – inclusive tem um episódio intitulado Kimmy é feminista!, no qual ela vai para a faculdade e ao se relacionar de forma mais próxima com as novas colegas, percebe que o discurso feminista delas ainda não é amadurecido.

4) Também é dada uma ênfase extra à interferência que traumas podem causar na vida futura da pessoa. Gretchen (Lauren Adams), uma das mulheres-toupeira, não consegue se libertar do passado e acaba criando a própria seita, sequestrando alguns garotos para servi-la. Obviamente o tiro sai pela culatra (e é aí que começa a existir uma discussão sobre questões feministas, que vai se aprofundando no episódio seguinte). Já Kimmy consegue a bolsa integral na universidade graças a uma habilidade física conquistada nos anos de bunker, mas ao mesmo tempo tem dificuldade de se relacionar com pessoas que tenham inclinação religiosa.

5) Com a entrada de Lilian para a política, entrou também um personagem que tenho curtido bastante, o Artie (Peter Riegert), dono da rede de mercados naturais. Simpatizei mesmo, desde a primeira aparição.

6) Já a trama de Jacqueline (Jane Krakowski) eu tô achando chata. Não é por ela, mas pelo núcleo da família em que ela se envolveu. Tudo chato, do marido dela (Russ, interpretado por David Cross) ao cunhado bonitão (Duke, por Josh Charles).

Então, pela primeira vez encontrei personagens chatos em Unbreakable Kimmy Schmidt. Mas mesmo assim, estou curtindo acompanhar e tenho me divertido com os episódios. Só falta ter um tempo extra (e internet estável, claro!) para concluir a temporada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s