O não

Ouvir um “não” é uma coisa frustrante mesmo. E é a palavra que a gente mais vai ouvir na vida. Mesmo que não seja com todas as três letras, às vezes ela pode ter mais, pode ser uma frase inteira, mas o significado é basicamente o mesmo: não, não foi dessa vez, não é você, não é pra você.

E mesmo que tentem abrandar um pouco o negócio, a dor persiste, mesmo que por uns breves instantes. É uma quebra de expectativas, afinal.

Desde ontem, quando recebi minha segunda carta (ou melhor, e-mail) de rejeição, ando pensando nisso. Foi uma mensagem curta, direta: seu texto não foi selecionado. Na verdade eu já estava meio que esperando que não fosse mesmo. Mas mesmo assim, ficou uma sensação estranha, variando entre o “que ruim, não é dessa vez que vou ser publicada” e o “eles não merecem falar comigo nem com meu anjo”. Bateu uma chateaçãozinha porque eu não ia chegar na minha página no Facebook nem aqui no blog dizendo que ia ter uma antologia com texto meu publicado. Foi a falta de uma boa notícia para dar que baixou minha energia – um pouco, mas baixou.

Comentei no Twitter. Não era minha primeira rejeição e também não será a última. Se juntar todos os #fail amorosos (que compõem a novela da minha vida afetiva, chamada *carinhosamente* de O Bofe) e as duas negativas na vida acadêmica (quando não passei na entrevista da seleção do mestrado), eu já me sentia muito escolada em levar “não” do universo. E como disse a Manu em uma aula que assisti dia desses, o “não” de hoje é o “sim” lá na frente.

Só tem algumas coisas que eu não posso fazer, se quiser que as coisas realmente aconteçam:

1. Não posso desistir de tudo.

2. Não posso achar que não sou suficiente.

3. Não posso internalizar a ideia de que ninguém me quer/aprecia, só porque um ou dois ou três (…) não quiseram.

4. Não posso deixar de acreditar – nem em mim, nem nas providências de Deus.

Isso vale tanto para minha jornada escrevendo quanto para as outras coisas da vida. Confesso que tem momentos que ando bem cética, mas ter essa postura de “deu tudo errado então vou excluir isso da minha vida” me machuca muito mais. É como se eu ficasse eternizando o “não é pra mim” na minha cabeça, sabe?

Recebi meu segundo “não”, já li gente dizendo que escrevo mal, já ouvi um mocinho dizer que não sentia nada por mim, já fui trocada, já tive projetos reprovados. Mas isso não me torna menor. Não me faz uma não-escritora, de forma alguma. Eu escrevo, sou lida em alguns veículos, então sou escritora, sim senhor, mesmo não ganhando dinheiro com isso! Posso não estar nas prateleiras das livrarias, mas estou na Amazon (Saída de Emergência (2007) e Conservatório (2012)) e ainda tenho muito texto para ser publicado no futuro. Não me faz uma mulher inamorável ou algo parecido com isso. Não me faz uma pessoa incapaz de fazer um mestrado e um doutorado – não desejo o doutorado nem lecionar em universidade, mas finalmente encontrei algo que para mim valeria a pena pesquisar, e sinto que o mestrado em algum momento vai rolar para mim. Coisas maiores e melhores virão, e eu serei uma pessoa maior e melhor – é essa crença que eu quero cultivar, mesmo nos dias em que o cenário parece meio desanimador.

Esse texto está bem parecido com o que postei no fim do mês passado sobre “manter o foco e não desesperar” porque é bem isso mesmo. No final das contas, até que recebi pouco feedback (tanto negativo, quanto positivo). Isso é um sinal de que ainda ando com receio de me lançar, mesmo depois desse tempo todo.

Tá na hora de eu jogar definitivamente esses temores fora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s