Ouvindo: “Lady Mistério”

(Faz uns dias que estou enrolando para escrever esse texto, mas essa foi uma semana estranha. Uma mistura de crise dos 30 com a pior TPM de todos os tempos que me deixou com as energias muito baixas, chorando dia sim e dia também por motivos fúteis. Mas já passou, tá passando. Enfim, deixando minhas crises de lado, vamos ao post!)

Lady Mistério, com essa capa que eu achei fantástica (sério, comecei amando a fonte que usaram!) foi lançado essa semana e fiquei sabendo graças ao instagram do Bruno Migotto. Este é um álbum do guitarrista Michel Leme, com o baixista Migotto, o baterista Jôtanas Sansão e o saxofonista Lucas Macedo. Olha, não conhecia, mas já considero pacas, viu? Na primeira vez que ouvi, no começo dessa semana, a primeira faixa que me chamou a atenção e amei foi Barbárie, que eu achei perfeita como trilha sonora para embalar um dos meus escritos. Mandei pra playlist de trabalho na hora. Outra que achei excelente de cara para os momentos de escrita (principalmente pra quem é chegado a criar tramas policiais, como eu) foi a faixa título, Lady Mistério. Até o título ajuda, gente! ❤

Fica a dica para quem eventualmente for produzir um filme, uma série, com esse espírito meio noir… Recomendo fortemente as músicas desse álbum como trilha sonora. Obrigada, de nada.

Screenshot_20180227-105407

Depois da terceira audição, tenho mais uma faixa no top 3 das favoritas: Viaduto Tutóia.

Lady Mistério está disponível em todas as plataformas de streaming, então não tem desculpa para não ouvir, hein? E para facilitar a vida, a gente deixa aqui no post pra você ouvir direto. 😉

(a propósito, preciso voltar a escrever o romance. ^-^)

Anúncios

Jesienna Dziewcyna

(ou a garota do outono…)

Música deste post: https://www.youtube.com/watch?v=A8_9isO0h9c

Nasci no outono, embora aqui não tenhamos estações bem definidas. Apesar de não ter experimentado um outono valendo, com árvores desfolhando e temperaturas amenas, tenho atração por essa estação do ano. E, pesquisando sobre descoberta de estilo pessoal e definição de paleta de cores, descobri que as paletas são definidas segundo as estações do ano. A Gabi, do Teoria Criativa, até recomendou o app do Color Me a Season, mas só tem pra iOS 😦

Mas isso não me impediu de correr atrás da minha paleta: dei uma pesquisada no Google e achei esse post da Cladwell, uma companhia especializada em armário cápsula. No post, tem linkado o teste para determinação da paleta pessoal de cores (tudo em inglês) e… Adivnhem só?

Pra mim deu outono na cabeça! Incluindo tons de verde, que é a minha cor favorita (pense num acerto!). Estou encantada com a minha paleta pessoal e daqui pra frente vou investir mais em cores que estejam na paleta, como… marrom (engraçado que tenho muito pouca coisa nessa cor no guarda-roupa, embora não tenha nada contra ela, muito pelo contrário). Como o site diz, a paleta é um guia para ajudar a criar um guarda-roupa parecido com a gente mesma, não uma regra fechada.

Se eu estivesse com grana no momento, ia investir em uma consultoria, porque acho um trabalho super legal e ajuda muito na busca pelo autoconhecimento. Mas isso não impede a gente de pesquisar, estudar um pouco e fazer uma “autoconsultoria”, né?

Extreme makeover de mim mesma

wardrobe.jpg
Imagem: Pinterest

Sexta-feira passada me senti feliz e bonita como há muito tempo não me sentia. Tudo estava cooperando: a roupa que tinha escolhido (estava usando uma botinha, que amo mas uso tão pouco…), a maquiagem, o cabelo… Acabou que passei algumas horas sem conseguir despregar o sorrisão da cara, e foi lindo.

Corta para hoje: arrumando a mala para viajar, percebo que metade das minhas roupas foi pega emprestada do guarda-roupa da minha mãe. Que sim, tem muita coisa boa, mas não é o meu guarda-roupa. E isso me incomodou com força. Fiquei mais perturbada ainda quando abri o meu armário e constatei que haviam vários vestidos sóbrios demais. Festa demais. Noite demais. Esporte fino demais. E eu nem vou a tantas festas de 15 anos/casamentos/formaturas assim. “São roupas de igreja”, minha mãe explicou; porque sim, eu vou com frequência à igreja, mas não existe a menor necessidade de tanta roupa sóbria assim. Quando eu quero ir à algum lugar que não envolva solenidades, sofro um pouco para fazer produções que me deixem feliz por completo – e acabo recorrendo ao acervo da minha mãe para achar calças, por exemplo. Justo agora estou começando a fazer as pazes com as calças (por um bom tempo as evitei).

Enfim, comecei a refletir e cheguei a algumas conclusões:

  1. Parece que finalmente estou começando a me importar com meu estilo, a construí-lo;
  2. Vou ter de começar a reconstruir meu armário, urgentemente. Vai ser um processo lento porque envolve grana, e também preciso manter algum controle no orçamento.
  3. Mas antes de começar a comprar roupas novas, preciso parar de comprar. Pelo menos do jeito que tenho comprado, sem muita reflexão, porque minha mãe achou a peça bonita e parecida com outras que já tenho.

Então vou aproveitar o começo desse semestre e me dedicar a entender meu estilo. O primeiro passo já dei: passar adiante algumas peças que não tem nem perigo de eu voltar a usar, seja porque enjoei, ou tá curto, ou não fico nem um pouco feliz usando… Também dei uma identificada rápida em peças que estão paradas e precisam ser usadas, o que já dá uma segurada no instinto consumista. Depois, vou começar a comprar peças novas, aos poucos, dependendo da necessidade. E a cada peça que entrar, uma vai ter de sair. Assim, acho que chego a Dezembro em uma situação fashion um pouco melhor… Com mais confiança no meu taco, para enfrentar os perrengues da vida. Porque sim, pode parecer besta (parecia para mim), mas assim como os cabelos, as roupas que temos à mão fazem uma diferença e tanto!

Hairdo-land: pensando em penteados simples para cabelos crespos

Manhã de terça-feira, segundo day after: a pessoa olha para o espelho e acha que podia aproveitar que o cabelo está um pouco maior para variar o penteado. Nada muito elaborado, porque o tempo não permite, mas algo pra sair um pouco da faixa/turbante de todo dia…

Inspiração (seria “expectativa”, mas como meu cabelo é crespo, a inspiração ficou só por conta da trancinha marota):

image

Resultado:

image

Não foi dessa vez que consegui fazer uma trança que seja nas minhas madeixas encaracoladas. E eu não conseguia fazer isso nem quando alisava… sou bem ruinzal em atividades manuais em geral. Como estava com o tempo curto antes de ir para o trabalho, fiz o de sempre: uma faixa da minha *pequena* coleção, batom vermelho e lá vamos nós!