Fim de férias em Maceió

Na verdade minhas férias acabaram há 15 dias, mas nesse último final de semana de Janeiro, fui com meus pais passar o sábado e o domingo em Maceió, mais precisamente no Pajuçara Praia Hotel, que fica (como o próprio nome diz) em Pajuçara. Já estive em Alagoas algumas vezes, em outras cidades como São Miguel dos Campos; mas na capital do estado só estive de passagem. Então esta foi a primeira vez em que pude conhecer efetivamente um pouquinho de Maceió.

O que mais me despertava o interesse na orla de Maceió quando eu passava por lá era a movimentação das pessoas praticando vários esportes: caminhada, corrida, patinação, ciclismo, futebol, basquete e até futebol americano! Gosto de lugares assim, onde dê para se divertir ao ar livre, e esse seria o principal motivo que me levaria a escolher uma casa à beira-mar: diversão e esportes ao ar livre, sem ter que pagar nada. Não sei como é a questão de segurança por lá no cotidiano, então não posso dizer nada sobre segurança baseada em uma experiência de dois dias, mas nesse final de semana não aconteceu nada que me deixasse sobressaltada quando andei na rua.

O hotel onde ficamos é um quatro estrelas muito simpático, com um staff atencioso que resolveu nossas pendengas praticamente na hora (não que tenhamos tido muitas, só uma bronca com a Internet e a necessidade de uma toalha extra), acomodações confortáveis, três piscinas (duas no térreo e uma na cobertura) e um posicionamento privilegiado, que dá uma bela vista.

 Pajuçara

(esta tarde se improvisa)!

O hotel também conta com academia (olha o vídeo!), salão de beleza (não usei esse serviço, mas comprei lá um elástico para o cabelo porque esqueci todas as minhas presilhas em casa, tsc); espaço para eventos.

Fora do hotel: aproveitei a oportunidade para curtir a orla como uma local esportista e fui dar uma corridinha, com direito a um açaí no Mr. Freddo (sorveteria artesanal) depois. Como estávamos com sérias restrições orçamentárias, limitei minhas compras na feira de artesanato a cinco cartões postais para minha coleção (2 reais cada), no mais fiquei só no “tô só olhando…”

Nas imediações da feira à noite a gente ouviu muita coisa legal, de carrinho tocando Queen até um senhor com roupas que deveriam ser indígenas tocando um instrumento de sopro (infelizmente, não rolou vídeo disso, sorry!). Mas durante o dia não achei aquele pedaço muito legal – o cheiro de urina tomando conta daquele pedaço próximo da feira.

Queria ter feito, mas não rolou: participar da tarde dançante no Iate Clube, que segundo banner exposto na fachada, acontece aos sábados a partir das 16h. Se bem que eu acho que no sábado em que eu estava lá não rolou, por causa do Verde e Branco. Inclusive tinha uma galerinha no hotel que deve ter ido para esse baile… Também queria ter ido assistir a um filme no Centro Cultural lá em Pajuçara, ao lado do condomínio Ana Maria. Sempre quero conhecer melhor os centros culturais dos lugares, mas a correria é tão grande que acabo vendo muito pouco (aconteceu a mesma coisa quando estive no Dragão do Mar, em Fortaleza). Mas tudo bem, Maceió é ali e um dia desses eu posso voltar lá com mais calma para apreciar as atrações culturais da cidade.

Nosso fim de semana neste hotel foi possível devido ao Meridien Clube, clube de turismo que disponibiliza hospedagem de qualidade aos associados em vários destinos no Brasil e no exterior. Se você se interessou e quer saber mais informações, visite o site! 😉

[obs.: não é publi!]

Reconstruir a rotina

Nesse momento, estou aproveitando meus 15 dias de férias e esse vai ser um momento que vou aproveitar para reconstruir a rotina e tentar levá-la com mais tranquilidade quando voltar ao trabalho (tranquilidade, serenidade, vou precisar de uns dois caminhões disso tudo). Com vocês, algumas das coisas que vou passar a fazer com mais frequência (ou deixar de fazer) para ter um dia a dia mais light.

Estudos: estou estudando Alemão em casa para desenferrujar um pouco, com material da Deutsche Welle, e está sendo ótimo! Com pouco tempo por dia já consigo relembrar tanto do que aprendi. Segundo teste de nivelamento, estou passando para o nível A2, mas estou refazendo lições do A1, como aquecimento. Estudar idiomas é um dos meus hobbies, então estou super de boas. 🙂 Na parte “obrigatória”, vou separar dois dias na semana para ler sobre temas que vão me ajudar a elaborar o projeto para o mestrado (que ainda não sei se terei tempo de tentar esse ano, mas já vou me preparando desde já).

Leituras: como falei no vídeo, foram pouco mais de 20 livros em 2016, e dá para superar essa marca bonito com a ajuda do meu e-reader e reduzindo ainda mais o tempo em redes sociais (2016 já teve uma reduzida violenta).

Redes sociais: quase não tenho postado nem me envolvido em questões polêmicas (aprendi que manter silêncio nas redes não quer dizer omissão ou ignorância e não somos obrigados a ter ou emitir opinião sobre tudo e todos), até no whatsapp minha participação tem sido diminuta. Vou usar mais o Facebook e o Twitter como “vitrines” do que tenho produzido em outros sites, e para manter contato com amigos distantes.

Televisão: nunca na história desse país vi tanta TV e tão pouca ao mesmo tempo. Netflix mudou minha vida, sério. A única coisa que mantém TV a cabo nessa casa é o Campeonato Brasileiro… Mas sobre meus hábitos: vou buscar ver mais filmes em casa durante a semana (falhei muito nisso ano passado) e nada de binge watching de séries com mais de 40 minutos de duração depois que voltar ao trabalho. Pressa pra quê, né?

Exercícios: continua do jeito que está. Agora que me recuperei da gripe (quase), voltei a caminhar perto de casa, amanhã volta o pilates e tá tudo certo.

Saídas: as férias favorecem que a gente saia mais, mas depois que tudo voltar ao normal, vou reservar pelo menos um dia a cada 15 para sair sozinha ou em grupo, e dar uma arejada na mente.

Calendário: organizei meu calendário no fim do ano, mas já vi que preciso mudar algumas coisas e ser menos caxias.

Bem, por enquanto é isso! Espero que você, querido(a) leitor(a) esteja também levando a rotina esse ano com tranquilidade (de tenso já basta o noticiário, né?)